#175 – A Ponte

Ponte. Um projeto normalmente feito para unir dois pontos antes desconectados. Na cidade grande, as pontes têm papel importante na logística cotidiana. Mas o que será que uma ponte esconde? O que, em vez de conectar, ela deixa mais distante? Quais as mensagens subjetivas por trás da engenharia de uma ponte? Fabio Brazza, músico e poeta, discorre sobre isso em uma poesia cantada de profundo significado. E claro que nós trouxemos para o Metanoia para entender quais as implicações dessa reflexão na nossa vida cristã. Expanda a sua mente.

#174 – Querida família…

Uma médica à beira da morte resolve escrever uma carta para a família. O conteúdo se espalha pelo mundo e comove a todos que leem. Trata-se de uma reflexão sobre a vida, sobre os propósitos, sobre o tempo… sobre tudo! Afinal, o que estamos fazendo com nossa existência? Como estamos usufruindo do fôlego de vida dado por Deus? E o que uma carta como essa, tão genuína e profunda, pode fazer com nossa mentalidade? Expanda a sua mente junto conosco!

#173 – Recomeços

Quando chega um ano novo vem, também, o desejo de recomeçar. Seja lá o que for, queremos iniciar uma série de novas coisas, de novas formas. Na verdade, se formos bem sinceros, diariamente esse sentimento é despertado. Mas nem sempre conseguimos dar vazão a ele. Portanto, como conseguimos colocar a vontade em prática e, realmente, recomeçar? Quais os elementos incluídos em qualquer recomeço? Chegou a hora de recomeçar. Feliz ano novo. Expanda a sua mente.

#172 – Gratidão!

Gratidão. Um dos combustíveis mais importantes em nossas vidas. Como acordar todos os dias e saber agradecer antes de resmungar? Como sobrepor a gratidão à reclamação? Para ser grato é necessária uma busca constante, que demanda atenção e esforço. Com a chegada de mais um final de ano, aproveite o momento para se concentrar em tudo aquilo que pode listar como motivo de pura gratidão. Seja grato e expanda a sua mente!

#170 – O que é o nosso deserto?

Logo depois do batismo Jesus foi ao deserto. O que isso significa? Qual o paralelo direto que podemos fazer à nossa vida? Além desse ponto específico, sendo mais abrangente, qual a mensagem que o deserto de Cristo nos passa? O que podemos aprender com os 40 dias isolado e com as tentações que Jesus teve de suportar? Quem está em missão precisa entender o deserto para conseguir lidar com as nuances de uma vida que nem sempre está sob controle. Expanda a sua mente.

#171 – Feliz aniversário, Jesus!

O que o Natal significa pra você? É mais uma data que entra no automático da agenda ou ele ainda carrega uma proposta diferente no seu ano? Quando paramos para pensar no nascimento de Cristo nossa mente viaja e encontra o nosso propósito de vida, já que as coisas estão atreladas. Mas o que fazemos com essa reflexão? Como fazer esse pensamento ser algo positivo e produtivo? Expanda a sua mente!

No chão da vida, o tempo voa!

Acabo de chegar em casa depois de viver um final de semana intenso, daqueles que deixam sua cabeça revirada, sabe? Tô meio zonzo, literalmente. Não consegui me reestabelecer ainda. Foram dois dias de um congresso que falou basicamente sobre missão… sobre essa missão que acontece hoje, agora, o tempo todo, focada em quem está lá fora e ainda não conhece o que, pela misericórdia de Deus, nós conhecemos.

Por falar em final de semana, esse foi meu último de férias do trabalho. Parece que ontem eu sai da TV. Hoje faz 28 dias. Quarta eu volto a trabalhar. Vivi dias especiais ao lado da minha família, e tô com medo do impacto que será deixa-las em casa quando voltar à rotina “normal”. Voou!

Quando eu saia do congresso que citei acima, recebi uma mensagem com uma notícia muito triste: um amigo meu, da Nova Semente, o grande Gelceles, faleceu. Ontem estava na igreja. Hoje, morreu. Esse cara viveu uma vida sofrida. A caminhada foi árdua. Lutas e mais lutas. 90% da experiência dele nessa terra foi longe de Deus. Mas há pouco tempo ele O conheceu. E isso mudou a vida do Gel.

No congresso, ouvi coisas que talvez não quisesse ouvir. Refleti sobre uma realidade que talvez eu não quisesse refletir. Afinal, o que eu tenho feito? Tenho vivido o que eu tanto prego? Quais as minhas raz… DESCULPAS, para não fazer o que eu sei que preciso fazer?

Ah, o Gel… Eu já o conheci na igreja, ainda lutando com os problemas que tanto o afligiam. Ficamos mais próximos quando ele passou a frequentar um pequeno grupo que eu liderava junto com minha esposa e outros amigos. Ali, ele se abriu, se entregou de verdade. Conheceu uma família que o amava. Conheceu o amor de Deus. Se esbaldou nesse amor. Pode experimentar milagres incríveis, dois deles, a sua própria conversão e a decisão pelo batismo. Ultimamente, as batalhas continuavam e acho que iriam perdurar. Me conforta o fato de saber que Deus talvez o tenha livrado de sofrer novos baques por aqui, afinal, o mais importante o Gel conseguiu: conheceu verdadeiramente a Cristo.

Depois de chorar e levar algumas porradas na cara durante o congresso, ao final, teve uma consagração. Foi uma sequência de testemunhos, orações e palavras de afirmação, uns sobre os outros. Deus, mais uma vez, agiu poderosamente. Faltava pouquíssimo tempo para eu ir embora, quando um menina se aproximou de mim. Eu não lembro o nome dela. Apenas sei que ela estava chorando quando disse: “Lucas, eu só queria agradecer… o podcast Metanoia tem sido muito importante pra mim e tem mudado minha vida. Não parem. Continuem firme”. Eu a abracei e chorei. “Louvado seja Deus”, eu disse a ela.

Chorando, fui pro carro e li a mensagem sobre o Gel.

Repensei sobre tudo que ouvira no final de semana. Repensei sobre a mensagem de Cristo e Sua missão. Repensei sobre o meu hoje, o meu agora. Repensei sobre minha vida. Repensei tudo! Entrei em crise. Quando cheguei em casa, chorei mais um pouco. Depois do banho, desabei. Sai do quarto para não acordar minha filha e vim escrever.

Sabe, o Gel só conheceu mais de Cristo porque um dia eu e outras pessoas resolvemos matar nosso eu para viver aquele pequeno grupo. Agradeço, inclusive, ao Rodrigo Maciel que forçou a barra e me fez liderar esse PG, mesmo, à época, a contragosto. Deus usou tudo que vivemos para salvar esse cara! Você entende o que estou falando? Uma decisão! Ir! Fazer! Hoje! Agora! Mas, pensando assim, quantas pessoas estão morrendo nesse exato momento sem o privilégio que o Gel teve porquê eu estou parado? Deus seja louvado pela vida do Gel, mas Deus tenha misericórdia desse que vos escreve.

Às vezes, me pego dizendo: já, já, eu volto a fazer o que fazia, a viver o que vivia, a ser quem eu era. Mas o chamado de Cristo é para irmos agora! Ele disse: “Eu vos envio…” Estamos enviados. Ponto. Diferentemente do meu trabalho, onde ainda estou de férias, no Reino de Deus, não há descanso, nem folga. É 24 por 7. E sabe por quê? Porque o o relógio tá girando e pessoas estão morrendo. Quando estamos em prontidão, elas não morrem sem O conhecer. Mas, quando dormimos no ponto, filhos se perdem por causa do nosso egoísmo. E não adianta dizer, “amanhã eu farei”. Tá mais que provado que o amanhã pode nem chegar. Afinal, no chão da vida, o tempo voa.

#somostodosviciados

Nego é viciado em pornografia. Viciado em internet. Em comida. Nego é viciado em doce. Viciado em sexo. Em falar mal do próximo. Nego é viciado no trabalho. Viciado em si mesmo. Em religião (!). Nego é viciado em dormir. Viciado em subir na carreira. Em refrigerante. Nego é viciado em série. Viciado em celular. Em dinheiro.

Nego só não é viciado em Deus.

Aí, como nego não é viciado em Deus, nego olha o vício do outro, vício visível, vício conhecido, e desce o pau! Nego acusa nego que viciado em droga, viciado em bebida. Nego fala mesmo. Nego, quando não quer falar mal diretamente, aproveita para fazer reflexões do tipo: “que Deus tenha misericórdia”; “mas o ser humano está perdido mesmo”; “isso é coisa de mundo caído”; “essa coisa de droga é fogo”; “que nego dê a volta por cima”. Nego aproveita a situação do outro pra ganhar likes e cliques. Nego é esperto. Nego fuzila sem dó. Nego passa a mão na cabeça, como se tivesse o direito de o fazer.

Nego só esquece que toda a lista feita lá em cima é tão entorpecente quanto o objeto de acusação/reflexão. Nego acha que tem de reprovar e exortar. Nego é ligeiro. Nego não olha pra si, nego não assume seus erros, nego acha que não tem vício. Triste ilusão. Nego não tira a trave do próprio olho, mas enxerga um cisco a quilômetros de distância. Nego é aproveitador. Nego é maldoso. Nego é ruim mesmo, e esqueceu de olhar para o único que nos faz iguais e justos.

No português claro, com a boca cheia (me desculpe se isso te ofender), mas tenho que falar:

Nego é f.. Deixa pra lá, afinal esse nego também sou eu!

Precisamos falar de Cristo e da eternidade

“Justiça bloqueia R$800 milhões da conta de Joesley Batista”
“Marina Ruy Barbosa usa brincos de mais de R$ 57 mil em evento”
“Paolla diz que lutou 5 horas por dia para chegar ao corpão”

Essas são três manchetes que acabo de ler na capa de um dos principais sites de notícia do país. Se eu listasse tudo que está na página principal desse site perceberia que tenho disperdiçado boa parte dos meus dias lendo e refletindo sobre verdadeiras besteiras. Mas é comum, fazer o quê. Vivemos entretidos pelo que não tem valor. Rimos de páginas engraçadas nas redes sociais, compartilhamos notícias sobre o prefeito, criticamos o mundo, invejamos os ricos e famosos, mas, como diria Lulu Santos, assim caminha a humanidade (Viu? Essa foi a primeira referência que veio à minha mente!). Com isso, passam os minutos, as horas, os dias e esquecemos do Eterno. Deixamos para a reflexão matinal, para o sábado, para a ação de rua… Durante a rotina diária, afinal, tenho de ficar a par do que acontece no mundo. Oi?

Hoje, meu irmão que mora fora do país me mandou uma mensagem dizendo que quer vir, ainda esse mês, com urgência, ao Brasil, pois nossa mãe disse que nossa vó não está muito bem de saúde. Ele quer vir se despedir, mas não disse isso. Eu fiquei mal. Por quê? Eu deveria ficar? Não se eu estivesse fixado na eternidade, mais precisamente no Cristo da Eternidade. Mas minha cabeça está voltada aos meus negócios, ao meu trabalho, às minhas preocupações… (me deu vontade de soltar um palavrão agora!) Por que deixamos a vida correr assim? Por que as manchetes toscas e bizarras são compartilhadas com tanta tranquilidade, quando Deus sonha com nossa rede social cheia de compartilhamentos que gerem vida? (me deu vontade de soltar OUTRO palavrão agora!) Em breve, se Jesus não voltar antes, minha vó partirá. Acho que eu nunca saberei lidar com despedidas, muito menos quando tratar-se algo tão próximo. Espero que Deus dê ainda muitos anos a ela, com saúde, claro. Ninguém quer ver alguém que ama sofrendo. Mas, pra não correr o risco do remorso, meu irmão virá, e eu vou lá com ele. Ao escrever, já estou sentindo o gosto salgado das lágrimas que derramo, no meu local de trabalho, em meio a 30 jornalistas só de refletir sobre isso. Pra ela será o piscar de olhos mais emocionante… Ela verá Cristo! A saudade ficará, mas e a alegria da vitória dela, em meio ao caos do mundo?

A verdade é que o que me mais tocou mesmo durante essa tarde foi quando eu abri a rede social e, diferente do que tem sido mais comum, li o post de uma menina que, sendo sincero, não conheço, mas a tenho em meu Facebook. O nome dela é Kelly Monteiro. Ela escreveu algo sobre a volta de Jesus, sobre a eternidade sem despedidas, sobre a paz, o fim do que é tosco e bizzaro, a exterminação das “manchetes absurdas”… E ela também falou sobre a presença eterna do nosso irmão mais velho ao nosso lado. A Kelly escreveu que estava com “saudade dele”. E acho que hoje, pela primeira vez, em meio a uma reflexão que eu não percebi que estava fazendo desde o momento em que meu irmão veio falar comigo à tarde, eu senti saudade de Jesus. Senti muita vontade de estar com Ele. É verdade que anseio pelo céu, pelo paraíso, não vou mentir. Mas, repito, pela primeira vez eu senti vontade de abraçar Jesus! (sinto vontade absurda de correr agora e abraça-lo com muito amor, enquanto choro com mais veemência. Daqui a pouco alguém vai me perguntar se estou bem). A Kelly talvez nem saiba o quanto o texto dela mexeu comigo. O meu irmão talvez não saiba. A minha vozinha, o grande exemplo de fé que tenho na família, talvez não saiba. Mas se falássemos mais sobre a eternidade e o sobre o Cristo dela, talvez todos soubessem o que estou sentindo.

O mundo não vai mudar. As coisas não vão melhorar. As manchetes vão ser cada vez piores. As pessoas vão se esquecer cada vez mais do Cristo. Mas eu JURO que jamais esquecerei dEle e do dia de hoje. Não sei exatamente o porquê, mas tomei um baque! “Me perdoe Pai, por tanto tempo em vão”. Que o Cristo da eternidade e tudo que estiver com isso relacionado seja a pauta principal da minha vida. Sempre prego isso, mas talvez agora a ficha tenha caído. Que assim seja, afinal, precisamos reescrever as manchetes da nossa vida. Ora, vem Senhor Jesus. Amém.