Eu sou…

Vivemos dias difíceis, em que as guerras acontecem do nosso lado, entre iguais. A crise assola as relações de trabalho, o estresse afasta a vida familiar, a incerteza do futuro corrói o coração dos jovens, os adolescentes se destroem com práticas de bullying. Enquanto o capitalismo busca nisso tudo a solução para seu inconstante crescimento, as religiões escravizam as pessoas em sua própria ganância de ficarem sem as “bênçãos prósperas” de Deus.

Olhando para o espelho me pergunto: E você como sobrevive a tudo isso? Quem você pensa que é? Quem é Deus para você? Quem eu sou para Deus?  Um sorriso brota no canto da boca pela certeza da mesma resposta para todas as perguntas, EU SOU…

A vida de Cristo é animal, mas pensar em sua reencarnação e os desdobramentos disso me revelam um louco amor.

Cristo não passaria de um deus qualquer se tivesse vindo como um deus, e também não passaria de um rei qualquer se viesse como homem, mas ele veio como SERVO, o próprio criador do UNIVERSO, AMOR em sua totalidade, veio servir, para que, servindo, pudesse ser tudo o que foi, atual e vivo até hoje, REAL.

Somente um Cristo que serviu sofreria as tentações e venceria todas elas, para que sabendo o que é ser tentado pudesse me dizer, “Tá complicado aí, né? Mas fica tranquilo, eu sei como é e já venci pra você, vem comigo que você passa de ano!”, parafraseando João 16, em especial o versículo 33.

Naquele dia, após o próprio Espírito Santo ter conduzido Cristo ao deserto da tentação (Mateus 4), Satanás aproveita um momento de “fraqueza” humana de Cristo, em que ele está com fome e “prepara a cama de gato”. Satanás é ardiloso!

Mas Cristo é simples. Ele vê as coisas na exata perspectiva em que são. Cristo não viu tentação de poder, nem tentação de status, muito menos tentação de riqueza. Desde o primeiro momento Cristo percebeu que Satanás queria tentar a IDENTIDADE do Mestre, “Se tu és o Filho de Deus (…)”.

Desde o Éden a identidade humana é tentada. Lá, para que fossemos iguais ao Pai; hoje, para que sejamos servos de Deus, que cumprem requisitos para serem salvos, enquanto Cristo diz, repetidamente, até para Satanás, “Eu sou Filho, Eu sou Filho, Eu sou Filho de DEUS!”. E essa talvez seja a maior característica do discípulo.

É só isso que Cristo precisava saber, que era filho de Deus, que Deus era seu Pai e para Deus Ele era um filho. Simples.

Simples assim. Eu me olho no espelho e com um sorriso na boca afirmo, “EU SOU FILHO DE DEUS!”. E por ser filho, eu não vivo em busca da salvação, pois já estou salvo. Porque já fui perdoado, me arrependo. Não espero o reino da glória, mas vivo o reino da graça, aqui e agora!

Tenho a certeza de que até na padaria não vou comprar pão, vou cuidar e reconciliar pessoas, como um filho de Deus que quer que seus outros irmãos saibam que o Pai está correndo para lhes abraçar (Lucas 15:20).

Pois somos todos filhos do mesmo Deus que, imediatamente após Adão e Eva pecarem, passeou pelo jardim (Gn 3:8) e, gentilmente, os chamou para fora da escuridão de volta aos seus olhos de amor, e fez para SEUS FILHOS o verdadeiro sacrifício.

Dando o melhor ou o pior? O primeiro ou o último?

Algumas colegas de trabalho se reúnem para conversar durante o expediente. Uma delas trouxe uma sacola de roupas para doar na campanha do agasalho da empresa e mostra as peças às amigas, que ficam alucinadas! Depois de exibir os produtos que vão à doação, e diante do êxtase das outras meninas, a dona começa a dar as melhores peças. “Ah, gente, tem muita coisa boa aqui para doar”, ela diz. “Peguem”, ela convida. As amigas pegam mais. Rindo, a dona termina: “Os pobrinhos vão acabar ficando sem”.

Esse é o pensamento que dirige a vida de muita gente. Se é pra doar, vou doar o que sobra, o que já não uso, o que é pior. O melhor, o bonito, o “usável”, eu dou pra “quem merece”, afinal, “os pobrinhos” podem ficar com qualquer coisa, já que não têm nada. Se isso fosse apenas uma realidade de quando doamos roupas ou pertences em geral, eu nem gastaria meu tempo escrevendo aqui. O problema é que esse mindset nos acompanha em toda vida, inclusive, na parte principal: a missão de Deus.

Quando Deus nos chama para fazer parte de Sua missão na Terra, Ele deseja que dediquemos o que há de melhor, o primeiro, a força mais imponente de nossas vidas. É por isso que acordamos, oramos, refletimos e conversamos com o Eterno, simplesmente porque precisamos colocá-lo à frente de tudo. No decorrer da semana, abrimos nossa agenda e, só quando sobra tempo, fazemos algo que seja diretamente relacionado com o Reino (“diretamente”, porque, na verdade, tudo é missão, mas como ainda fazemos separação entre o que é e o que não é, então é importante deixar claro!). Mas, o certo seria agendar todo o restante das atividades apenas depois de colocar tudo que temos como chamado feito por Cristo.

No fim das contas, vivemos um “ateísmo cristão”. Cremos em Deus, mas por não ser palpável, e por não sentirmos Ele o tempo todo conosco, O deixamos de lado quando encontramos novas prioridades. “Ele quer o melhor? Ele deseja que eu O coloque como primeiro? Mas por quê? Não precisa, vai?! Ele entende que preciso ir trabalhar, me exercitar e descansar, afinal, sou de carne e osso!”. Repetimos inconscientemente essa frase várias vezes ao longo dos nossos dias de vida. O reflexo disso é tenebroso! Nos afastamos do Eterno. Perdemos Ele de vista. Paramos de senti-lo. E aí, na sequência, passamos a entregar só o que sobra, só o que é mais velho, de menor valor. Se não acaba, eu dou a oferta; se tenho força, ajudo alguém; se resta tempo depois de fazer tudo pra mim, penso no próximo… Essa lista poderia ir longe, muito longe, mas vou parar aqui.

Vou, também, encerrar o texto nesse parágrafo. Não quero me estender. Queria apenas jogar essa bomba em direção ao seu coração, depois de tê-la visto explodir aqui no meu. O que tenho dado por Deus? O que tenho entregado? Ele tem sido minha prioridade, como prego por aí, às vezes? Me sinto meio constrangido, e você também pode se sentir assim. Mas sabe o que é bom? Do alto de Sua infinita misericórdia, Deus continua nos olhando, com um sorriso suave, como quem diz: “Filho, sempre é tempo. Comece agora. Estou a postos para virar sua prioridade. Tem muita gente à sua volta que precisa dessa sua decisão. E aí, aceita?”

Começa mais uma semana. Pra que mesmo?

Hoje é domingo… Provavelmente você completou essa frase, cantando aquela velha música “…pede cachimbo”. Pra muitos o domingo é um dia muito feliz, afinal, amanhã será dia de trabalhar. Pra outros, trata-se de um pesadelo, afinal, segunda é dia de trabalhar. São os dois lados de uma mesma moeda. Fato é que não temos escolha: depois do domingo vem a segunda, e começa a semana útil de labuta. Não, eu não esqueci que estou escrevendo na véspera de um feriado, mas isso não importa, pois quero deixar o significado geral da reflexão para as semanas “normais”. Antes de avançar, deixe apenas esclarecer um ponto: não vim falar de trabalho, de satisfação, de felicidade ou de gratidão por ter um emprego. O foco é outro. E nessa abordagem a pergunta do título se faz necessária agora: “pra que começa mais uma semana?”

Não se trata da possibilidade de novas conquistas. A segunda não é o primeiro dia rumo à sua independência financeira. O primeiro dia útil da semana não pode sempre carregar aquelas velhas máximas, “nossa, hoje é segunda”; “estou devagar”; “não consigo produzir”, “que dia triste”, “quanto tempo falta para a sexta?”. Olhe para a segunda como uma nova chance que Deus te dá. Sim, uma nova chance de iniciar uma nova semana para fazer novas coisas e mudar novas vidas. Já que a segunda é o “dia internacional do início de tudo”, por que não usar o dia de amanhã para voltar a colocar sua vida no eixo, no que diz respeito ao único propósito que deveríamos ter? (nota: espero que você saiba que propósito é esse!)

A vida é muito mais do que a rotina de serviço. E posso te dizer uma coisa? É muito mais do que as “missões” que você tem feito com sua comunidade ou sua galera. A vida é, por completa, uma guerra que não cessa. Quando Deus sonhou contigo, ele te deu um papel para que você cumprisse ao longo dos anos que você estivesse na Terra. Inevitavelmente, nós “esquecemos” desse papel de reconciliar as pessoas com Deus, e umas com as outras. Que triste, não? Nós deixamos de lado a posição de sacerdotes do Reino (1 Pedro 2:9 – Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz) e vivemos como coadjuvantes na missão eterna. Ele te deu um papel de protagonista e você prefere ser coadjuvante! Não acha isso um absurdo?

Se a segunda-feira é um fardo pra você, significa que ainda não entendeu que NADA deixa de ser espiritual. E se TUDO é espiritual todo dia é dia de sinalizar o Reino de Deus, de sábado a sábado. Outro dia ouvi uma frase que me levou a nocaute: “se a segunda-feira não for tão santa quanto o sábado, alguma coisa está muito errada na sua vida”. Consegue entender o que está por trás dessa frase? Ela não diminui o valor do sábado, pelo contrário! Ela mostra que o sábado é a base pra tudo. Mas, a segunda deve ser tão santa quanto, quando você está nela como sacerdote do Eterno, seja no trabalho, na sua casa, na academia, no trânsito e em qualquer outro lugar.

A semana útil está começando e diante do chamado de Deus para sua vida há opções a escolher:
a) continuar a viver sua vida medíocre que não muda nada da realidade à sua volta;
b) achar que tudo isso que eu escrevi não passa de uma besteira sem tamanho;
c) refletir sobre seu papel nesse mundo e viver todos os dias para a glória do Eterno;
d) seguir a vida como se não tivesse lido esse texto;
e) ligar o Netflix e assistir a mais um episódio da sua série favorita.

E aí, qual a sua escolha?

Mais uma semana começa. Pra que mesmo?

A Páscoa – uma poesia sobre a cruz


Dentro de uma cela
No canto acorrentado
Apenas à luz de uma vela
Meu pulso está algemado

Tudo é escuro
O medo toma conta de mim
Cercado por quatro muros
Agora será o meu fim

Um homem sem sorte
Condenado à execução
Prestes a enfrentar a morte
Sem chance de libertação

Sim, eu sou culpado
Mas queria uma oportunidade
De voltar à sociedade
E mostrar que estou renovado

Chamo o guarda da prisão
Sinto no corpo um arrepio
Ele nem me dá atenção
Fico sozinho no clima sombrio

Mas o portão é então destrancado
Acho que agora vem o carrasco
Eu serei executado
Meu desejo se torna um fiasco

Alguém entra e eu cubro o olhar
A corrente é arrebentada
A algemada é retirada
Ele diz que não vai me matar

Pede pra eu me levantar
Pagaram toda a fiança
Estou livre para recomeçar
Essa era minha esperança

A cela se fecha atrás
E pra sempre é trancada
Da cela ao lado sai Barrabás
As penas estão abortadas

De assassinos a mentirosos
Da mais grave à mais singela
Estão livres os criminosos
Abriram-se todas as celas

No corredor, ouço comentários
Alguém escolheu a condenação
Ele está lá no calvário
Pendurado com cravos nas mãos

Saio do calabouço
Livre eu enxergo a luz
Em meio à gritaria eu ouço
Que o nome do homem é Jesus

Corro na multidão
Quero chegar nessa cruz
De joelhos caio no chão
Sou ofuscado pela luz

Ele diz que está consumado
Eu não preciso ficar preocupado
O madeiro que foi levantado
Estava no plano que fora traçado

O sofrimento foi por amor
Aquilo era só a passagem
Ele precisava sentir a dor
Pra que a gente entendesse a mensagem

Ali compreendo quem sou
Um homem que foi resgatado
Com nova identidade estou
Sou filho do Mestre amado

A cruz foi necessária
Mas a morte foi destruída
A cova foi temporária
E a ressurreição nos trouxe vida

Não mais escuridão
Agora apenas a luz
A Páscoa é a renovação
Pela graça de Jesus

 

Pare de mastigar

Hora do almoço. Chego ao restaurante e peço uma lasanha. Não estou “grávido”, mas o desejo pelo prato está absurdo. Minutos depois, ao longe, vejo o garçom. Ele vem caminhando, quase que em câmera lenta, em minha direção. Água na boca. Engulo uma caixa d’água de 500 litros. Mais uns passos dele. Abro um largo sorriso. O detentor da minha lasanha, enfim, a coloca em cima da mesa. Eu a devoro, como o Djavan fazia com sua amante. É uma garfada atrás da outra. Enquanto mastigo um pedaço, já corto o próximo que, em uma fração de segundo, já está em minha boca. O ritual de pura ansiedade, que beira o desespero, se repete até que, em 5 minutos, extermino a tão desejada e sonhada lasanha. Apesar de tudo, fui com tanta sede ao pote, ou melhor, ao prato, que não me lembro do sabor. Não sei qual foi o melhor pedaço. Nem consigo me recordar dos ingredientes que compunham a minha massa. Confesso que, inclusive, até queimei o céu da boca. Bom, mas o que será que vou comer na janta? Quem sabe uma pizza? Talvez eu pense em uma alternativa mais light. Vou pensar. Estou bastante estufado, mas acho que já estou com fome de novo. Não vejo a hora de devorar a janta.

Que vida levamos, não? Nunca paramos de “mastigar”. Queremos tanto aproveitar cada segundo, numa espécie de mergulho profundo no Carpe Diem, que mal olhamos para o lado enquanto desfrutamos da vida. E quando acaba o objeto atual de desejo, por não tê-lo aproveitado da maneira correta, já agendamos o próximo. Pego um compromisso, mas ele não me preenche. Assumo mais um. E mais outro. Mordo aqui. Mastigo ali. E no fim, estou estufado, mal e, o pior, insatisfeito.

Satisfação não tem a ver com o que faço, mas, sim, com o como faço. Tem de haver sentido. Tem de haver propósito. Minha satisfação está na lasanha. Ok. Eu a como. Por perder a noção do significado do momento, termino e não estou satisfeito. Entende o que estou dizendo? Temos de parar de mastigar! Precisamos curtir pedaço por pedaço. Saborear cada ingrediente, cada tempero. Isso é satisfação!

Se você morresse hoje, estaria satisfeito? Pra muitos, a resposta é “não”. E sabe por quê? Porque tentamos fazer muita coisa, abraçar muito compromisso, produzir demais em pouco tempo, e quanto mais corremos para lotar a agenda, sentindo-se bem e completo, menos nos envolvemos com cada horário do nosso dia. “Nossa como o tempo está passando rápido”. Estou em um encontro importante, já pensando no próximo. Me atraso. Fico aflito. Corro. Encaixo outra coisa aqui e ali. Cumpro tudo. Mas, estou satisfeito? Termino o dia estafado, mas “saboreei os temperos”? Ou apenas “comi feito um louco porque estava com desejo”? Obviamente não estou aqui para dizer que você deve abrir mão de compromissos e ter uma vida mais tranquila, afinal quem pede que a gente se poupe é o inimigo, nunca se esqueça disso. No entanto, por outro lado, quando Deus nos chama, Ele nos convida para fazermos tudo com sentido, com entendimento e com a certeza de que em cada ação demos o melhor, com a cabeça única e exclusivamente focada ali.

Cada um sabe das suas prioridades. A cada qual cabe estabelecer sua própria agenda, de acordo com o que Deus mostra e chama. Mas há algo que é inegociável e comum a todos nós: enquanto comemos, temos de parar de mastigar, por um minuto que seja!

Na rede social da beleza, hipocrisia é mato

Ahhh… 2017 chegou! Que ano passamos, não? Em 2016, todo dia foi um “7 a 1” diferente. Passamos por momentos em que foi só tiro, porrada e bomba, culminando em separações que abalaram “nossas convicções” – Tio Bonner e Tia Fafa! Não estávamos preparados. Quem diria, não?

Já cansados, sofremos com a tragédia. Uma cidade inteira sofreu a perda de tanta juventude, tudo pela ganância do coração humano. Se há um culpado, pouco importa, não diminuirá de 71 para 70. #ForçaChape

E agora, o que mais podemos pensar? Brad Pitt largou Angelina Jolie. Não!!! Para aí que está tudo errado. Ele é bonito, ela é bonita, são ricos e famosos, rodaram o mundo, adotaram crianças, têm carros, casas, seguidores. Para! Faltou o que ali? Acho que finalmente entendi o porquê BELEZA NÃO PÕE MESA. “Beleza” de vida não faltava ali, mas como já dizia o bom Salomão:

“Sabe o que acontece quando a ganância toma o controle: quanto mais você tem, menos você é”. (Pv. 1-19)

Esse ano foi marcado, também, pela expansão das redes sociais Instagram, Snapchat, WhatsApp, Facebook, Live no Face… São inúmeras as ferramentas que transformaram o mundo em um minúsculo clique com o botão esquerdo e trouxeram à tona a grama do vizinho, aquela maldita grama verde dele! Incrivelmente voltamos à estaca zero. A ditadura da beleza foi substituída pela escravidão da aparência! Perdemos um dia atrás do click perfeito e nos colocamos em situações constrangedoras para agradar… os outros! Definitivamente perdemos o valor e colocamos preço em tudo. Estamos pagando caro!

“Milagre é raro onde hipocrisia é mato”, já dizia o grande poeta Vitor Kivitz.

Finalmente nos rendemos à ideia do capitalismo, que nos escraviza pela ganância da felicidade. Nesse cenário capital, buscamos a vida que está lá no pote de ouro do fim do arco-íris, achando que a segunda experiência nos trará felicidade em dobro, enquanto passamos pelo tempo com medo da falta de tempo, perdendo a vida correndo atrás do tempo. Que lógica medonha! Por isso, mais uma vez, cito o jovem poeta, Vitor Kivitz:

“é rir pra não chorar, êta mundo bom de acabar! Mas se ainda existe ar, resta motivos pra respirar. Quem concede a graça de recomeçar? Na vida que foi dada e você nem pediu?”

Pra sair dessa situação, a humanidade não tem outra saída que não seja a ajuda de Cristo. É preciso crer e apegar-se no amor inesgotável de Cristo, onde você pode esgotar suas expectativas e carências, e partir do amor livre para amar, finalmente entendendo o que está escrito em João 8:32:

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Busque sua experiência real com Deus!

Finalizo, refletindo na frase do Paulo Brabo:

“O ensino de Jesus só permanece novo porque nunca foi tentado”.

E agora, obedecendo a primeira bem-aventurança, talvez possamos nos colocar de joelhos na frente de Deus e, assumindo nossa pobreza de espírito e incapacidade, consigamos entender que o Reino de Deus é daquele que dá ao próximo o amor que queria pra ele. Só assim a “Ganância da Felicidade” talvez se transforme na “Bênção do Amor”.

*TEXTO ESCRITO POR GABRIEL ZAMBIANCO