PREÇO DO DISCIPULADO

Um dia, aprendi com meu pastor que o Reino de Deus é um Reino de amigos, e, de fato, tenho comprovado isso ao longo dos últimos anos, nessa caminhada de discipulado e vida em PG (pequeno grupo). Lá se foram dez grupos desde a primeira experiência com o que chamo de “PG Piloto”, o primeiro PG de discipulado que participei na casa do pastor da comunidade que eu frequentava. Em cada um desses grupos, formei amizades incríveis. Conheci pessoas amáveis, doces, alegres, inteligentes, espirituais, dedicadas e sensíveis.

Pessoas com quem, certamente, passaria a vida inteira tendo bons assuntos para conversar e ótimas coisas para fazer. Tenho o privilégio de carregar essas amizades até hoje no coração, mas carrego, também, a tristeza de não conseguir conviver com muitas delas pelo tempo que eu gostaria. A cada novo grupo, conheço novas pessoas, e a convivência com elas no “discipulado um a um” engloba o tempo que antes pertencia às pessoas do grupo anterior.

Logo, só passa ser possível encontrar os amigos dos grupos encerrados em alguma celebração por aí, como festas de aniversário, casamentos ou encontros familiares.

Por diversas vezes, eu me pego pensando em como seria minha vida se eu selecionasse alguns poucos amigos de cada um desses grupos, apenas aqueles com quem mais me identifiquei, e, assim, me dedicasse em conviver apenas com eles. Um café no Starbucks, um jantar no Outback, um final de semana em Campos do Jordão, um domingo na praia, noites assistindo a seriados, sentados no sofá, churrasco, campeonatos de futebol no Playstation e tantas outras coisas. Wow! Quantos momentos de alegria e amor eu poderia acumular com isso? É bom demais poder usar o tempo que temos e o recurso que Deus depositou em nossas vidas para passar mais tempo com os amigos, se divertir, descansar ou aproveitar a companhia uns dos outros.

Minha caminhada de vida em Missão

Entretanto, o que tenho percebido nessa caminhada de vida em missão, vida de “enviado” para plantar novos discípulos, novos grupos e novas comunidades, é que se torna cada vez mais utópica uma vida assim. No começo, tudo parece ser possível. Conciliar o tempo, administrar a agenda, os compromissos, estabelecer algumas metas e tal. Mas, e quando já são dez grupos? E quando o número de amigos se tornou tão grande que não é mais possível conciliar? E quando o número de amigos alcança os três dígitos e você percebe que nenhuma agenda seria apta para administrar tantos relacionamentos? E quando, por melhor que seja seu gerenciamento de tempo, fatalmente você passa a esbarrar nos limites de tempo e espaço?

Como se não bastasse, eu sei que também não é possível viver apenas de amizades. Tenho de cultivar minha família, gerenciar bem minhas empresas, planejar e executar os projetos que Deus me incluiu, ir ao médico, ler livros e praticar algum exercício físico. Ou seja, impossível, Rodrigão! “Não dá para conviver por muito tempo com todo mundo que Eu te dei”, diz Deus ao meu coração. “Em breve, chegará um novo desafio, e Eu vou querer você lá. Vai conhecer novas pessoas, conviver com elas e amá-las apenas pelo período de tempo que Eu permitir. Caso contrário, você vai gostar tanto disso, que desfrutar das amizades vai se tornar seu principal entorpecente e um fim em si mesmo”, conclui, Aquele que dita os rumos da minha caminhada.

Não seja duro com você mesmo, Rodrigo

Talvez, a essa altura do texto, você pode estar pensando: “não seja tão duro com você mesmo, Rodrigo! As coisas não precisam ser tão radicais”. Ok, você pode ter razão, mas o fato é que uma nova plantação está a caminho, e, por mais uma vez, viverei esse desafio.

Um dia desses encontrei um amigo de infância. Alguém por quem eu tenho um profundo carinho e admiração, e também alguém que me conhece profundamente. Ao abraçá-lo, me lembrei do quão importante ele é para mim e o quanto faz falta passar algum tempo com ele, jogando conversa fora e dando risadas intermináveis com as histórias que vivemos juntos, e falando sobre as pessoas em comum que tivemos a alegria de conhecer.

Finalizando… O que eu aprendi com isso

Saí daquele encontro em lágrimas ao pensar na dor da separação, e pensei no valor que aqueles poucos minutos tiveram para mim. Depois, adicionei mais um item na composição do custo de uma vida de discipulado: o preço de ter muitos amigos e de conviver sistematicamente com eles por um curto espaço de tempo. Minha oração, hoje, é para que eu tenha sabedoria para gerenciar o tempo, mas, principalmente, que Jesus termine o mais rápido possível essa obra aqui na Terra para que eu possa passar a Eternidade, convivendo com todos os amigos que Ele me deu para amar.

The following two tabs change content below.

Rodrigo Maciel

É um dos idealizadores e palestrantes do Portal Metanoia. Administrador de Empresas de formação, empreendedor de profissão e pastor leigo por vocação, é também plantador de igrejas missionais na cidade de São Paulo.

Últimos posts por Rodrigo Maciel (Ver tudo)