Conhecimento: conceito ou experiência?

“O ápice do conhecimento não é conceitual mas experiencial: eu SINTO Deus” Jacques Maritain.

Quem me dera se a minha interpretação sobre a Bíblia e sua “aplicação” na vida simplesmente sumissem! De repente se meus achismos fossem substituídos pela sincera diligência à Bíblia, e se TODOS fizessem o mesmo, buscando e meditando na PURA PALAVRA DE DEUS, livres de seus dogmas e backgrounds, de repente só de repente…

Bastam essas linhas para que fique clara minha tagarelice, bem como, a incomensurável diferença entre a palavra de Deus e todas as palavras humanas, e a certeza de que homem algum pode, com todas as suas palavras, explicar uma palavra sequer de Deus. Quem sabe se houvesse uma desconversão em massa, até que existisse, novamente, um e apenas um único cristão que contemplasse a Bíblia em completo silêncio, então pudéssemos voltar a Bíblia e abandonar nossos achismos, frutos de nossas frustrações. Vão para a própria Bíblia. Em silêncio. Até entenderem qual é a boa e reta vontade de Deus para sua vida. Não permitam que as minhas experiências, exposições e as de outros estudiosos sejam mais do que uma ferramenta que apenas indique, tal qual uma placa indica o caminho, mas não o avalia, não o define, não julga e nem cria juízo de valor.

Então, poderíamos de forma eficaz ser capazes de entender, compreender, experimentar e habitar a simples e pura palavra de Deus e seu amor infinito. Se eu estou indignado? Não. Preocupado? Não. Pois no final das contas, Deus sempre prevalecerá. Apenas senti a necessidade urgente de “parafrasear” essa carta tão “recente”, enviada por um filho de Deus, que sentiu os portões dos céus se abrirem e o próprio Deus descer quando entendeu a Graça em Romanos 1:17.

Obrigado Lutero! Obrigado por nos avisar desde seu sermão naquele natal de 1522 da importância de calar-se perante Deus e ouvir sua voz. Obrigado, também, Pr. Paulo Brabo por elucidar uma necessária desconversão em massa, até que sobre apenas um último cristão (música do Kivitz) capaz de calar-se diante do entendimento do amor de Deus.

Você ainda tem alguma dúvida sobre os ruídos que criamos sobre Deus? Então me responda:
– Você realmente acha que Deus se importa com você? Nos seus mínimos detalhes?
– Você sente Ele presente na sua vida, como um amigo, auxiliando em companheirismo?
– Você realmente acredita que Deus seja amor em TODAS as situações?
– Você tem medo de algo? Qualquer coisa?

“No amor não há medo; ao contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.” – João 4:18 

E agora que entendeu porquê você ainda continua a ORAR SEM CESSAR? Desentendeu?

No próximo texto explico melhor!
Até discípulo.

😉

(texto de Gabriel Zambianco)

The following two tabs change content below.

Gabriel Zambianco

Últimos posts por Gabriel Zambianco (Ver tudo)

2 respostas
  1. Antonio Ventura
    Antonio Ventura says:

    Gabriel
    você me deixou todo zonzo…
    fiquei confuso tentando me achar tentando enquadrar os meus “achismos” no que a biblia diz…
    Você me desarmou quando disse “Não permitam que as minhas experiências, exposições e as de outros estudiosos sejam mais do que uma ferramenta que apenas indique, tal qual uma placa indica o caminho”…

    aguardando o próximo texto…

    Responder

Deixe uma resposta

Gostou deste post?
Fique a vontade para deixar seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *