Os 7 pecados – Luxúria e Gula

Na última poesia da série “Os 7 pecados”, a LUXÚRIA E A GULA “se apresentam” a nós. Elas fazem uma autodescrição, indicando as características que mais afloram nas pessoas. 

Hoje a apresentação é em cumplicidade
Viemos revelar nossas identidades
Somos vontades incontroláveis
Não existimos de maneiras saudáveis

Eu sou o desenfreado desejo sexual
Eu te faço comer até passar mal
Eu só penso na carne humana
Eu estou focado na carne que não vai pra cama

Nelson Rodrigues me trata como o miserável tédio carnal
A escravidão pelo desejo sexual
Não me importa quem
Preciso me envolver com alguém

Pra mim o corpo é um objeto
Eu uso e descarto quando acho certo
Se tenho vontade, na falta da minha
Me entrego no desejo pela vizinha

Destruo casamentos
Acabo com relacionamentos
Só estou em busca de satisfação
Sou tão forte que me torno uma compulsão

Comer e beber são as motivações da minha vida
Sinto atração irresistível por toda comida
Tenho aversão ao jejum
Meu estômago é um coração de mãe: sempre cabe mais um!

Sou descontroladamente glutão
Constantemente esganado
Excessivamente comilão
Eternamente insaciado

Te convenço de mais uma golada
Só a sobremesa e mais nada
Vamos, você aguenta
Escolha entre a batata, a lasanha e a polenta!

Destruo a paz da sua alma
Acabo com sua calma
Te faço viver pelo que não é espiritual
Transformo amor e sexo em algo banal

Faço de você um doente
Controlo sua mente
Domino suas ações
Estou presente em todas suas imaginações

Não te deixo descansar
Apareço em qualquer lugar
No metrô, no escritório ou na rua
Na sua mente a pessoa desejada está sempre nua

Me chamam de um triste prazer
O arrependimento vem logo depois de comer
Mesmo assim sou louco por uma mesa farta
Como um big mac e duas porções de batata

Me dou muito bem com os outros pecados
Nós caminhamos sempre lado a lado
A verdade é que se você é um glutão
Para os outros seis você nunca diz não!

Da luxúria, sou irmã
Se não tem mais comida, não fico sã
Aliás, quando falta eu fico irada
Mas tenho orgulho por aguentar sempre outra garfada

Como a avareza, eu guardo… mas no meu interior
Adoro a preguiça após um banquete no calor
Confesso que sinto inveja de uma vida saudável
Mas de todos os sete sou o menos detestável!

Você come, você faz
E ainda assim continua a querer mais
Sua vontade nunca fica nula
Desculpa por nossa existência: somos a luxúria e a gula!

 

The following two tabs change content below.

Lucas Wilches

Lucas Wilches. Um filho de Deus, salvo pela Graça. Jornalista. Apresentador do podcast Metanoia. Louco para contar as histórias que são escritas pelo Criador das palavras.

Últimos posts por Lucas Wilches (Ver tudo)

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostou deste post?
Fique a vontade para deixar seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *