Posts

Os 7 pecados – Luxúria e Gula

Na última poesia da série “Os 7 pecados”, a LUXÚRIA E A GULA “se apresentam” a nós. Elas fazem uma autodescrição, indicando as características que mais afloram nas pessoas. 

Hoje a apresentação é em cumplicidade
Viemos revelar nossas identidades
Somos vontades incontroláveis
Não existimos de maneiras saudáveis

Eu sou o desenfreado desejo sexual
Eu te faço comer até passar mal
Eu só penso na carne humana
Eu estou focado na carne que não vai pra cama

Nelson Rodrigues me trata como o miserável tédio carnal
A escravidão pelo desejo sexual
Não me importa quem
Preciso me envolver com alguém

Pra mim o corpo é um objeto
Eu uso e descarto quando acho certo
Se tenho vontade, na falta da minha
Me entrego no desejo pela vizinha

Destruo casamentos
Acabo com relacionamentos
Só estou em busca de satisfação
Sou tão forte que me torno uma compulsão

Comer e beber são as motivações da minha vida
Sinto atração irresistível por toda comida
Tenho aversão ao jejum
Meu estômago é um coração de mãe: sempre cabe mais um!

Sou descontroladamente glutão
Constantemente esganado
Excessivamente comilão
Eternamente insaciado

Te convenço de mais uma golada
Só a sobremesa e mais nada
Vamos, você aguenta
Escolha entre a batata, a lasanha e a polenta!

Destruo a paz da sua alma
Acabo com sua calma
Te faço viver pelo que não é espiritual
Transformo amor e sexo em algo banal

Faço de você um doente
Controlo sua mente
Domino suas ações
Estou presente em todas suas imaginações

Não te deixo descansar
Apareço em qualquer lugar
No metrô, no escritório ou na rua
Na sua mente a pessoa desejada está sempre nua

Me chamam de um triste prazer
O arrependimento vem logo depois de comer
Mesmo assim sou louco por uma mesa farta
Como um big mac e duas porções de batata

Me dou muito bem com os outros pecados
Nós caminhamos sempre lado a lado
A verdade é que se você é um glutão
Para os outros seis você nunca diz não!

Da luxúria, sou irmã
Se não tem mais comida, não fico sã
Aliás, quando falta eu fico irada
Mas tenho orgulho por aguentar sempre outra garfada

Como a avareza, eu guardo… mas no meu interior
Adoro a preguiça após um banquete no calor
Confesso que sinto inveja de uma vida saudável
Mas de todos os sete sou o menos detestável!

Você come, você faz
E ainda assim continua a querer mais
Sua vontade nunca fica nula
Desculpa por nossa existência: somos a luxúria e a gula!

 

Os 7 pecados – Preguiça

Na quarta poesia da série “Os 7 pecados”, a PREGUIÇA “se apresenta” a nós. Ele faz uma autodescrição, indicando as características que mais afloram nas pessoas. Ao longo das próximas semanas, você verá uma poesia “feita por cada um dos pecados”.

 

“A Divina Comédia”, de Dante Alighieri.

Quero começar desabafando
Dizem por aí que eu estou sempre enrolando
Protesto! Não é bem assim!
Só prefiro o trabalho longe de mim

Façamos uma viagem ao passado
Desde a infância, eu estou ao seu lado
Almoça e pega a coberta no baú
Depois dorme a tarde toda assistindo “Lagoa Azul”

Na escola, aquele sono matinal
Copiar toda a lição era um exercício mortal
Ler livros, fazer resenha, estudar
Confesso que eu sempre preferi colar

Hoje em dia eu continuo presente
Todo adulto uma hora me sente
Sou aquela famosa leseira
Pra preencher os relatórios numa segunda-feira

Se tem muito esforço, eu não quero
Se puder esperar, eu espero
A musculação eu paguei por um ano
Mas não fui em nenhum dia do plano

O cálculo do troco só na calculadora
Não lembro a última vez que usei uma vassoura
Qual a pergunta? Vou pesquisar!
O Google me ajuda a não ter que pensar

Quem busca a pizza? Eu que não!
Alguém pode levar o lixo? Pede pro João!
Tem que buscar sua irmã na dentista
Pode deixar que eu pago o taxista

Pode parecer engraçado
Mas hoje em dia, sou crucificado
Em tempos onde o trabalho é glorificado
Quem fica ocioso é sempre julgado

Mas eu sou insistente
Não porque tenho energia
É porque quero que toda gente
Viva à beira da melancolia

Me associam com improdutividade
Ociosidade
Vagabundagem
E até vadiagem

Pra mim, nada é urgente
Eu empurro tudo com a barriga
O ritmo que comanda a minha mente
Anda no passo de uma formiga

E por falar em natureza
Eu até já fui homenageado
Tem um bicho cheio de beleza
Que com meu nome foi batizado

Inspirado nesse bichinho, eu já preciso deitar
Daqui a pouco a minha mente enguiça
Dá licença, eu vou ali descansar
Afinal, eu sou a preguiça!

Os 7 pecados – Ira

Na quarta poesia da série “Os 7 pecados”, a IRA “se apresenta” a nós. Ele faz uma autodescrição, indicando as características que mais afloram nas pessoas. Ao longo das próximas semanas, você verá uma poesia “feita por cada um dos pecados”.

Quando chego mostro que sou insuportável
Incomodo e causo aversão
Faço um escândalo reprovável
Dos seus sentimentos eu sou a explosão

Sou quase sobrenatural
Porque você é possuído por mim
Como uma personificação do mal
Eu não prevejo o fim

Joga no Google “dia de fúria”
E eu apareço de várias maneiras
Sempre com minha amiga injúria
Eu te faço perder as estribeiras

Nascida em seu pensamento
Apareço na sua ação
Às vezes sou violento
Às vezes paro num palavrão

Eu surjo no trânsito
Dou as caras no metrô lotado
Quando a toalha molhada fica em cima da cama
E quando seu carro amanhece quebrado

Revelo-me sobre seu rosto
Quando a Receita cobra mais imposto
Ou quando você é pego pelo radar
Na avenida onde o limite não para de mudar

Não sei o que é justo e verdadeiro
Só quero cobrar o que acho correto
Sou capaz de esculachar o país inteiro
Quando algo sai do meu controle completo

Faço seu sangue ferver
Acelero o batimento do seu coração
Impossibilito que você possa ver
Ou escutar os conselhos da razão

Comigo você perde a compostura
Pra quem está de fora parece loucura
Posso ser breve, mas sempre intensa
Me considero uma vingança sem nenhuma recompensa

Do ódio sou bem diferente
Pois sou concreta e individual
Enquanto o ódio é um sentimento constante
Estou ligada a uma dor pontual

Posso ser associada a uma doença mental
Transtorno borderline e antissocial
Transtorno explosivo intermitente
Sou estudada porque machuco muita gente

No fim das contas, sou o segundo descontrolado
Te faço matar quem está ao seu lado
Se está armado você atira
Agora já está claro… Eu sou a ira!